Info-Angola

Você está aqui: Início País/Províncias Bengo Economia Agropecuária Agropecuária
  • Decrease font size
  • Default font size
  • Increase font size
Agropecuária PDF Versão para impressão Enviar por E-mail

ImageEm 2006 foram cultivados 61.039 hectares de terra, dos quais 13.104 hectares pelo sector empresarial e 47.935 hectares pelo sector camponês, afectando um grupo alvo de 12.630 famílias camponesas e 412 pequenas e médias empresas agrícolas que resultou na produção de 264,3 toneladas sendo 64,5 produzidas pelo sector empresarial e 199,9  pelo sector camponês.  Esta actividade ė assegurada por mais de 60 mil empresas agrícolas familiares, 400 pequenas e médias empresas agrícolas, 90 associações de camponeses e 7 cooperativas agrícolas.

No âmbito do repovoamento florestal, foram plantadas 60.000 espécies de árvores com destaque para as acácias americanas e rubras, casuarinas, mangueiras, cajueiros, nime e eucaliptos.  Na província do Bengo existem 2 perímetros florestais com uma extensão de 42 hectares e mais de 3. 000 plantas.

A Província conta neste momento com um número elevado de criadores, empresários e camponeses, cujo efectivo ronda as 30.000 cabeças de gado.


Os principais géneros de cultivo existentes na província são:

  • Mandioca;
  • Citrinos;
  • Milho;
  • Arroz;
  • Batata Doce;
  • Café;
  • Cajú;
  • Tabaco;
  • Hortícolas;
  • Feijões;
  • Bambú;
  • Amendoim;
  • Rosa de Porcelana;
  • Óleo Vera;
  • Massangano
  • Pecuária

Os principais géneros de pecuária presentes na província são:

  • Caprinos;
  • Ovinos;
  • Avicultura;
  • Suínos.

No domínio da Piscicultura

Coexistindo com a exploração agrícola e pecuária, o potencial existente nas lagoas do Bengo pode ser explorado. A piscicultura nas águas interiores pode revelar-se de elevada importância económica e contribuir para a melhoria da dieta alimentar. Dado o seu rápido crescimento, e pelo facto de serem espécies fitófagas, as lagoas do Bengo estão particularmente vocacionadas para a exploração de espécies do género tilápia (vulgo Cacusso). Estas espécies nativas dos rios e lagos africanos permitem rendimentos elevados e a sua exploração quando associada à criação de patos e suínos torna-se ainda mais rentável.


No domínio das Pescas

A província do Bengo dispõe de uma orla marítima com cerca de 200 km em que, à semelhança do que ocorre em toda a costa do País, existe um conjunto de factores combinados de ventos correntes e ciclos térmicos que determinam uma elevada concentração de fitoplânctons densos que criam uma importante biomassa fundamentalmente constituida por espécies pelágicas.


No domínio Florestas

O Nordeste da Província do Bengo no município de Nambuangongo, e a designada área do triângulo, compreendendo os municípios de Bula Atumba, Pango-Aluquém e Quibaxe são cobertas por vastas áreas de floresta densa. O conflito militar permitiu uma renovação natural do âmbito florestal mas por outro lado, dificultou a manutenção, recuperação ou construção de novos acessos. Solucionado este constrangimento, é possível a partir de agora a instalação de indústrias relacionadas com a utilização dos recursos florestais. O valor comercial das espécies de madeira existentes no bengo é considerado de muito interesse. Dependendo do tipo de madeira, o valor médio ronda os 100/Usd/m3. Em espécies mais nobres o valor pode chegar facilmente aos 300 usd/m3.